Agenda

fevereiro 2011
D S T Q Q S S
« nov   abr »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728  

Nem tão recentemente

Antes tarde…

Assim. (Odeio frase que começa com “assim”. Pior, só se começar com “então”. Mas vamos lá, que como quebra-gelo é bem bom).

Como eu ia dizendo, oi. Tudo bem? Você vem sempre aqui? (Tá, melhor pular esse pedaço).

Vou poupá-los das desculpas pelo sumiço, as reclamações pelo cansaço de fim de ano, bla bla bla. Eu tirei férias, é isso. Merecidas e necessitadas. Na verdade, continuo de férias. Não que eu não tenha o que fazer, mas atividades profissionais com hora e prazo marcado só em março. Nesse meio tempo, escrevi uma dezena de posts mentalmente e tive preguiça ou faltou oportunidade de colocar no papel/computador. Aliás, eu me dei conta recentemente de uma coisa. Eu escrevo melhor à mão. Acontece isso com você? O pensamento é rápido demais, e, por incrível que pareça, à mão eu acompanho melhor do que no teclado. E olha que eu digito rápido.

O que mais acontece é eu estar lavando louça, ou parada no engarrafamento, ou naqueles minutos antes de adormecer, e começar a pensar como se estivesse escrevendo. Saem coisas legais que eu jamais dou conta de reproduzir depois. Esta retomada mesmo já foi ensaiada váááárias vezes, desde dezembro, mas na hora que eu poderia escrever de verdade, cadê que eu lembrava aquilo tudo que eu tinha pensado? Aí o que me vinha à cabeça e aos dedos me parecia tão sem graça que eu deixava pra lá. Pras horas de engarrafamento eu já aprendi que existe o gravador de voz do celular! Alguns trechos do projeto que eu apresentei na seleção do doutorado, por exemplo, acabaram vindo de pensamentos fisgados em momentos assim. Em viagens e determinados passeios eu adotei a sempre recomendada e eficiente tática de andar sempre com uma cadernetinha e caneta na bolsa, e fazer anotações a cada vez que dou uma parada: enquanto tomo um café, ou contemplo uma paisagem. Às vezes entro em algum lugar tranquilo, uma igreja, por exemplo, só pra sentar e escrever o que me passa na cabeça. Para quem gosta, eu acho ainda melhor que a cadernetinha seja sem pauta, porque a gente aproveita para rabiscar desenhos toscos, que depois a gente não mostra pra ninguém, mas que são relaxantes e ótimos exercícios. Infelizmente, na maior parte das vezes em que eu começo a devanear, não há nenhum desses recursos à mão.

Devanear é uma palavra ótima. Eu vim aqui pensando escrever uma coisa e já enveredei por outro caminho completamente diferente. Voltemos, pois.

Tenho novidades para contar (não sei se ainda é novidade pra muita gente, mas vou contar – de novo – assim mesmo) e uns assuntos e links para partilhar.

1 – A novidade que já não é novidade, mas que está me deixando particularmente feliz neste início de ano é que eu fui aprovada na seleção do doutorado, no PROURB/UFRJ (Programa de Pós-Graduação em Urbanismo), onde serei orientada pela Prof. Dra. Rachel Coutinho Marques da Silva, que já me acompanhou no mestrado e com quem eu gosto muito de trabalhar. O título do projeto apresentado é Histórias, riscos e possibilidades nos subúrbios da Leopoldina. Pretendo, aos poucos, contar um pouco pra vocês do que se trata, em que projeto de pesquisa se insere, e ouvir opiniões e sugestões. Meus próximos 4 anos, portanto, estão comprometidos com a produção desta pesquisa. Eu sei que vou reclamar muito, vou ficar exausta, vou me perguntar onde estava com a cabeça quando me meti nessa furada, vou ler e escrever mais vezes por obrigação do que por prazer, mas vou saber o tempo todo que é exatamente isso que eu queria, pelo que eu trabalhei tanto, e cujos frutos me trazem tanto prazer.

2 – Em função desta nova atividade, que vai me acrescentar bastante trabalho e tomar um bocado de tempo, eu precisei abrir mão da função de professora na Universidade Veiga de Almeida. A diretora me ofereceu a possibilidade de tirar licença sem vencimentos por um ano, enquanto eu termino meu contrato de professora substituta na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ, e eu aceitei. Em 2011, portanto, concentro minhas atividades na Ilha do Fundão, o que me poupa, pelo menos, um bocado de deslocamentos. Sentirei falta dos alunos, a quem eu sempre me apego tanto, e dos colegas de trabalho, com quem eu sempre tive um ótimo relacionamento, mas a internet está aí pra isso mesmo, facilitar a aproximação, minimizar as distâncias, possibilitar os contatos.

3 – Há muita coisa que eu gostaria ainda de falar sobre as enchentes de janeiro deste ano, que maltrataram tanto a Região Serrana do Rio de Janeiro e seus moradores. Poucos dias depois das chuvas mais fortes, fui convidada pela TV Brasil para um sobrevôo pelas áreas atingidas, para conversar um pouco sobre os efeitos destes fenômenos naturais sobre a cidade e o que pode ser feito para evitar estas tragédias anunciadíssimas, em vez de ficar cinicamente com cara de quem foi pego de surpresa (de novo?), ou jogar a culpa sobre a “natureza” e sua fúria inclemente. A entrevista foi ao ar em quatro blocos, na edição do dia 14 de janeiro, durante o telejornal Repórter Brasil, e pode ser vista na internet, aqui:

http://tvbrasil.ebc.com.br/reporterbrasil/video/12615/

http://tvbrasil.ebc.com.br/reporterbrasil/video/12616/

http://tvbrasil.ebc.com.br/reporterbrasil/video/12617/

http://tvbrasil.ebc.com.br/reporterbrasil/video/12618/

4 – Depois disso, as queridíssimas Esther Lúcio Bittencourt e Ana Laura Diniz, competentes jornalistas e delicadas amigas, de Caxambu-MG, que dirigem o jornal Primeira Fonte, também tiveram a generosidade de publicar um bate-papo comigo numa coluna chamada Correspondência Urbana. Entre outras coisas, esse tema das enchentes e da relação das cidades com o ambiente natural também foi abordado. Eu adorei participar, embora tenha deixado um monte de fios soltos, e pretendo voltar a trocar cartas e impressões com elas. No mesmo jornal há outros escritos deliciosos, como a descrição que Vera Guimarães faz da Belo Horizonte de sua mocidade universitária, ou as dicas da Menina Eva sobre Manaus. Passeiem por lá.

5 – Como não podia deixar de ser, estando de férias, tenho lido um bocado (embora menos do que gostaria, eu sou uma leitora lenta, essa que é a verdade) e tenho ido ao cinema de vez em quando. A entrega do Oscar vem aí, dia 27 de fevereiro, e eu estou aqui lembrando dos meus comentários no ano passado. Ontem fui ver A última estação (The last station), que retrata as últimas semanas de vida de Leon Tolstói, e adorei, achei um filme de enorme sensibilidade, que me tocou profundamente. Há um post pronto, já escrito sobre o assunto, a ser publicado em breve (a cadernetinha estava comigo na bolsa e eu rabisquei umas linhas lá mesmo, de luz apagada, enquanto me emocionava com as interpretações magistrais de Christopher Plummer e Helen Mirren). Com relação a livros, também há um post pronto sobre o que estou terminando de ler. Na verdade, foi um e-mail trocado com amigos que eu vou aproveitar descaradamente. O livro se chama Uma história de Deus, de uma das minhas autoras preferidas sobre o assunto, Karen Armstrong.

6 – Por fim, viagens. Ano retrasado eu fui a Montreal, o que rendeu algumas ótimas conversas aqui. Ano passado, estive em Milão. Este ano, especificamente semana passada, fui a uma cidade diferente. Cosmopolita, rica, enorme, com um centro histórico belíssimo, ainda que um pouco decadente. Uma cidade fascinante, com um monte de problemas e um monte de possibilidades, em que eu já tinha estado mais de uma vez, mas na qual eu nunca tinha reparado tanto, que eu nunca tinha visitado de coração tão aberto, e pela qual me apaixonei. Fui a São Paulo. Aguardem relatos (sim, a cadernetinha, de novo).

Está aberta, oficialmente, a temporada 2011 deste boteco.

16 comentários para Antes tarde…

  • Delicia de post! delicia de novidades! bom demais te ler, mana!

    Eu tava com saudades de escrever mesmo. Bom é ver vc aqui! Bjs

  • Que bom tê-la de volta! Estava sentindo muita falta de seus posts. Belas novidades, com ótimas promessas de desdobramentos. Só espero não precisar esperar 2 meses de novo. Beijos.

    Também espero! ;) Beijos

  • “O que mais acontece é eu estar lavando louça, ou parada no engarrafamento, ou naqueles minutos antes de adormecer, e começar a pensar como se estivesse escrevendo. Saem coisas legais que eu jamais dou conta de reproduzir depois. Esta retomada mesmo já foi ensaiada váááárias vezes, desde dezembro, mas na hora que eu poderia escrever de verdade, cadê que eu lembrava aquilo tudo que eu tinha pensado? Aí o que me vinha à cabeça e aos dedos me parecia tão sem graça que eu deixava pra lá.”

    Isso é tão enraizado em mim que ao ler confundi com meus próprios pensamentos…Não sou a única!

    Não conhecia seu blog e estou encantada com seus textos, que são tão gostosos quanto suas aulas (olha a lamentação de novo…, rs)
    Aguardo os próximos posts.

    Beijo, Carol, venha sempre. E olha, adote o gravador e a caderneta. Já melhora um bocado. Mas não tem jeito, a gente sempre pensa nas horas que não dá pra anotar e o pensamento se perde…

    Grande beijo,

  • Maisa Aleksandravicius

    Menina, também me identifiquei muito! Você escreve super bem! Vou voltar mais vezes.
    Um beijinho

    Que bom, Maisa, volte sim, será um prazer! Beijos

  • Luiz Felipe

    Muitas atividades, ótimas as entrevistas. Muito articulada. Gostei muito. Muito simpático o post.
    Tenho a impressão que os trechos do primeiro e do segundo link estão repetidos.

    Opa, vou conferir, obrigada. Beijos.

  • Tania Beatriz

    Enfim…( será que começar assim vale? rssss)
    De qualquer maneira vai assim mesmo… Enfim a mestra está de volta. Dinâmica, experiente, cheia de ensinamentos, APAIXONANTE!!!

    Cada dia mais te adimiro e me espelho em você.
    Saudades de você, saudades de suas aulas.

    Bjs

    Saudades de você também, querida. Como estão as coisas? Beijo grande, minha torcida por você é permanente!

  • \o/ \o/ \o/ \o/ \o/

    Querido!

  • Paula Clarice

    Que bom você de volta! Gostei dos videos, Aninha. Beijocas

    Beijocas, Paulinha. quando é que a senhora também vai voltar a escrever?

  • Que bom que está de volta. Estou curioso sobre os futuros posts sobre a Paulicéia.
    Cheers!
    Heguiberto

    Aguenta só mais um pouquinho, que hoje eu tive que furar a fila com outro assunto. ;)

  • Eva Noelia Garcia de Medeiros.

    Sabe o que me encanta?Éque voce põe alma em tudo que faz,fala ou escreve.Sou suspeita, eu sei, mas as suas amigas e alunos não me deixam mentir.
    Tenho guardado ainda a sua descrição da sua primeira viagem ao exterior, escrita com a mesma paixão.
    Amo e me orgulho muito de voce, filha.

    Olha o mico da rasgação de seda em público ;) : eu também te amo, mãe, você sabe.

  • Gutemberg Júnior

    Eiiiii Ana!, que saudade que eu estava de tú mulé de Deus.

    Engraçado, não nos conhecemos pessoalmente… mais estava no hábito(que voltará agora) de vir me nutrir aqui das tuas boas e sempre bem ditas palavras.
    Ver teu vídeo foi bem engraçado, porque assim como num livro ( no qual você idealiza o personagem, sua voz, se possui tiques, entonação na fala….)quando leio teus posts, vou meio que viajando, meio que percebendo e indo nas variações do teu humor, de euforia, ou de angustia, a depender do tema.
    Gostaria de Agradecer por voltar.
    Parabenizar pelo doutorado – eu chego lá…

    Estou eu aqui.. no 6 período (passei da metade do curso), e me questiono “tá acabando”, não estou pronto… tenho tanta coisa que quero estudar ainda… geografia,antropologia,direito urbano e ambiental,fazer artes plásticas,cinema,música,artes cênicas,cair na dança,aprofundar nos fundamentos sociais.
    É tão curto esse tempo na Universidade, e vejo uns amigos meus, naquela vontade que acabe logo, e abrir seu micro/macro escritório individual, fazer 1021987654 projetos e ser bem sucedido. E AÌ?
    Por mim, ficaria até ser quase jubilado, aproveitando tudo, que o Universo acadêmico me oferece.
    [desculpe abusar das palavras] é que quando venho me sentar contigo pra uma xícara de chá… me sinto em casa.

    Tenha um exelente 2011.
    Seja Bem Vinda.

    :D Obrigada, Gutemberg. Não precisa jubilar, pode se formar e continuar estudando. Afinal, pronto mesmo a gente nunca está. Abraços

  • esther

    ah, ana paula

    que gostoso te reencontrar nas letras. e você nem comentou, durante nossa conversa que havia voado sobre as áreas atingidas pelos deslizamentos! precisamos atar os fios.
    ana, levo sempre comigo um gravador digital. já me perdi muito e demais me procurei. hoje não tenho mais tempo para agulhas no palheiro. vem o texto ligo o gravador, transfiro para o micro, coloco no via voice , conserto as palavras que ficam inteligíveis e pimba!
    é porque, como aqui não tem engarrafamento, acordo a qualquer hora da noite pronta para ditar.

    beijo

    Esther, esther… Eu me sinto em falta contigo. Mas sei que às vezes a gente faz o tempo e às vezes o tempo faz a gente. Conversar com você é uma experiência que me arrasta para profundezas que eu não sei descrever. Só sei que é bom demais. Beijos

  • esther

    urbanamente, ana paula, nós do primeira fonte é que estamos profundamente agradecidas.

    esther e na laura

    Meu beijo mais carinhoso para vocês duas.

  • Nêga, Parabééééénnnsss!!!!
    Passei correndo como quem furta, mas não posso deixar de te dar um beijo!!

    Não precisa furtar. Meus beijos eu dou pra você “de grátis”!

  • alline

    Nada não, só dava dando uma relida em uns posts aqui, e ai vi o comentario da tua mãe neste e achei a coisa mais fofa do mundo inteirinho ela ainda ter o relato da tua primeira viagem ao exterior.
    Poxa, publica aqui pra gente, vai? :-p

    Mas eu nem lembro disso, tá com ela. Se ela deixar e me deixar copiar eu publico. É de mil novecentos e guaraná com rosca, hahahaha!

  • Demorei para comentar porque é muita coisa pra ser ver num post rico como este. Meus parabéns :) .

    Obrigada, Patrick!

Deixe um comentário

 

 

 

Você pode usar estes tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>